Dow Portugal realiza paragens com sucesso

Estarreja, Portugal - 1 junho 2016

 

A Dow Portugal, a Air Liquide e a CUF-QI realizaram com sucesso as suas paragens para manutenção e implementação de melhorias nas suas fábricas. Após cerca de dois anos e meio de laboração contínua, as unidades de produção entraram em maio num período de cerca de um mês de paragem, com uma enorme afluência de empresas subcontratadas e cerca de 900 pessoas externas a trabalhar no Complexo Químico de Estarreja. Desde o início de junho as fábricas voltaram à produção.

Sendo necessárias para realizar manutenção e inspeção de equipamentos e melhorias técnicas, as paragens têm de ser feitas em simultâneo na Air Liquide, CUF-QI e Dow Portugal, visto que os seus processos produtivos são interdependentes no fornecimento de matérias-primas, através de condutas. As empresas são unânimes na avaliação positiva destes dias intensivos de paragem. “A avaliação é muito positiva, porque tínhamos objetivos muito claros, que foram atingidos. Tínhamos o objetivo de ter zero acidentes e alcançamos esse objetivo; de executar os trabalhos nos dias estipulados e executámos tudo nos dias planeados; e o controlo de custos, que pode ficar até um pouco abaixo do orçamentado”, afirma Jacint Domènech, diretor geral da Dow Portugal.

Planeamento, segurança e dinamização da economia

Para que tudo decorra dentro do planeado, os dias de paragem começam a preparar-se desde um ano antes no caso da Dow, sete meses na CUF-QI e seis meses na Air Liquide. O processo envolve todos os departamentos das empresas, num planeamento pormenorizado de cada tarefa a realizar, o que exige uma forte articulação com os subempreiteiros. No caso da CUF-QI, falamos de 20 empresas contratadas e cerca de 400 trabalhadores externos. Tudo isto se traduz num forte impacto positivo na economia regional e nacional, visto que dinamiza fortemente a prestação de serviços.

Por outro lado, a grande afluência de trabalhadores externos às empresas requer procedimentos redobrados em termos de segurança. Para trabalhar nas três unidades fabris, qualquer pessoa tem de realizar uma formação mínima de segurança, além do treino adicional dado pelas próprias empresas, tendo em conta a especificidade do seu processo produtivo. Os resultados traduzem-se em zero acidentes na Dow.

Feita essencialmente com o propósito de realizar intervenções de manutenção em equipamentos - como reparações e substituições, inspeções e calibrações, as empresas aproveitam também para fazer melhorias técnicas, o que resulta numa otimização da fiabilidade e da tecnologia relacionada com a produção, segurança e ambiente. Tudo isto é essencial para que as fábricas possam produzir continuamente nos dois anos e meio que estiveram a laborar desde a última paragem. Este é um período recorde de produção contínua, que veio acrescentar competitividade às empresas, que em 2009 fizeram um projeto conjunto de duplicação da sua capacidade produtiva, tornando-se num dos mais atuais clusters da indústria química.